• Facebook

    Acesse nossa página no face para obter novidades.

  • Oportunidades

    Não se esqueça de olhar a página de oportunidades, todas as vagas para estágios oferecidas estarão lá.

  • Calendário Academico

    Já está disponível o calendário academico de 2017. Não perca a datas das provas!

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Oportunidade



Ja visitou a pagina de oportunidades?

Não perca tempo!





























Setor de TI tem vagas sobrando e salários de até R$ 20 mil




Vagas aumentaram mais de 50% em junho, mas profissionais têm que ter qualificação. Empresas estão montando cursos para qualificar mão de obra.


Em tempos de crise e desemprego, tem um setor que parece um oásis no mercado de trabalho: está sobrando vaga e os salários vão até R$ 20 mil, mas tem que ter qualificação. É o setor de tecnologia da informação, conhecido como T.I. Em junho, as vagas na área aumentaram mais de 50%. Tem até empresa montando cursos para qualificar a mão de obra.

Cícero acabou de completar um curso de um ano e meio em uma empresa de tecnologia e agora foi efetivado. Guilherme Peralta é colega de turma e tem 19 anos. “Meu primeiro videogame eu ganhei quando eu tinha 7 anos. Desde lá eu queria saber como funcionava por dentro, como funcionava um jogo, como eu criava um jogo. Eu fui seguindo esse caminho”, conta.

Foi o primeiro curso que a empresa deu para estudantes saídos do Ensino Médio, em parceria com o Senai. De 900 inscritos, 70 foram selecionados e todos saíram com o emprego garantido lá.
A executiva de Recursos Humanos da empresa, Daniela Cabral, conta que a ideia surgiu depois de constatarem que faltava gente qualificada na área. “Existe uma demanda muito grande para os profissionais qualificados no mercado de tecnologia e é por isso que a gente investe em alguns programas de formação de jovens, que ainda não estão preparados, como este que a gente acabou de fazer, recentemente."

Enquanto muitos setores 
da economia estão mandando trabalhadores embora, na área de tecnologia falta gente para ocupar as vagas oferecidas. Segundo um levantamento feito por um grande site de procura de empregos, a oferta de trabalhos no setor cresceu 44% no primeiro semestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. Nos seis primeiros meses do ano, foram abertas quase 41 mil vagas. Só em junho, foram dez mil, 56% mais do que em junho do ano passado.

O engenheiro que orienta a turma é o "Júlio Louco". Trabalha na área há 22 anos e tem conselhos para quem pretende começar. “Não entre só porque é uma área valorizada, ou porque existe déficit de mão de obra qualificada. Tome, conheça e entre porque você gosta. Você vai ao mesmo tempo atender a sua realização pessoal e profissional”, recomenda o engenheiro de pesquisa e desenvolvimento Júlio Wittwer.

As oportunidades são para quem fez curso superior na área, como o de ciências da computação, por exemplo, mas também para quem fez cursos técnicos na área de tecnologia da informação.

i9 Day in a Row convida você!


Exibindo i9day-2015-final.jpg

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Bateria que pode durar para sempre?



Pesquisadores da Samsung e do MIT estão desenvolvendo baterias que podem ter um ciclo de vida indeterminado. A tecnologia pode diminuir o desgaste de uso e fazer com que a carga dos aparelhos durem por mais tempo.

As baterias utilizadas atualmente usam um composto líquido de lítio. Quando os íons se movimentam, liberam eletricidade e geram energia para que o aparelho funcione. Com a constante movimentação dos íons, as células acabam sobrendo desgaste e retendo menos carga. Isso é o que chamamos de ciclo de vida de uma bateria.

O projeto feito em parceria pela fabricante coreana e pelo MIT quer substituir o líquido por um material sólido composto de lítio, germânio, fósforo e enxofre. A nova técnica evita o desgaste das células e ainda pode armazenar de 20% a 30% mais energia na mesma quantidade de espaço. 

O novo composto também pode evitar alguns problemas de segurança, já que não apresenta nenhum risco de superaquecimento e princípio de incêndio. "[Com um eletrólito sólido] não há nenhum problema de segurança. Poderíamos jogá-lo contra a parede ou colocar um prego na bateria, não há nada lá que possa queimar, explica o pesquisador Gerbrand Ceder. 

Por enquanto, a tecnologia ainda está em fase de desenvolvimento. Não há estimativas de sua chegada ao mercado.